segunda-feira, 27 de junho de 2011

Os Milagres de Jesus, Fatos ou Ficção?


"Jesus era homem com profundos sentimentos"

Os milagres de Jesus eram uma manifestação do “poder majestoso de Deus”

“TROUXERAM [a Jesus Cristo] muitas pessoas possessas de demônios; e ele expulsou os espíritos com uma palavra e curou a todos os que passavam mal.” (Mateus 8:16) “Ele [Jesus], acordando, censurou o vento e disse ao mar: ‘Silêncio! Cala-te!’ E o vento cessou, e deu-se uma grande calmaria.” (Marcos 4:39) O que você acha dessas declarações? Acredita que descrevem acontecimentos reais, históricos, ou acha que são apenas histórias alegóricas, meros mitos?
Muitos hoje têm sérias dúvidas a respeito da autenticidade histórica dos milagres de Jesus. Nesta era do telescópio e do microscópio, da exploração espacial e da engenharia genética, parece que há pouco espaço para relatos sobre obras milagrosas e maravilhas divinas.
Alguns acham que os relatos de milagres são fantasiosos ou alegóricos. Segundo o escritor de certo livro que se propõe a descobrir o “verdadeiro” Jesus, as histórias sobre os milagres dele não são nada mais do que “técnicas de marketing” para propagar o cristianismo.
Outros acham que os milagres de Jesus são fraudes. Às vezes, alguns até acusam Jesus de fraude. Segundo Justino, o Mártir, do segundo século EC, os difamadores de Jesus “até mesmo se atreveram a chamá-lo demago e enganador do povo”. Alguns deles alegam que Jesus “não realizou seus milagres como profeta judeu, mas como mago, aprendiz de templos pagãos”.

A definição de “impossibilidade”

Talvez você ache que por trás de tais dúvidas haja um motivo fundamental pelo qual pessoas relutam em crer em milagres. Elas simplesmente acham difícil, até mesmo impossível, aceitar a idéia de que forças sobrenaturais possam estar atuando. “Milagres simplesmente não acontecem — ponto final”, disse um jovem que afirmava ser agnóstico. Depois ele citou as palavras do filósofo escocês David Hume, do século 18, que escreveu: “O milagre é uma violação das leis da natureza.”
No entanto, muitos seriam mais cautelosos antes de afirmar que certo fenômeno é impossível. The World Book Encyclopedia chama o milagre de “um evento que não pode ser explicado com as leis conhecidas da natureza”. Segundo essa definição, para a maioria das pessoas que viveram no começo do século passado, as viagens espaciais, a comunicação sem fio e a navegação por satélite teriam parecido “milagres”. Certamente, não é sábio afirmar que milagres sejam impossíveis pelo simples fato de que não podemos explicá-los à base do conhecimento atual.
Se examinarmos algumas evidências bíblicas relacionadas com os milagres atribuídos a Jesus Cristo, o que encontraremos? Os milagres de Jesus são fatos ou ficção?

Os milagres de Jesus
O que pode aprender deles?

VOCÊ talvez fique surpreso de saber que os relatos bíblicos em grego sobre a vida de Jesus na Terra nunca usaram a palavra “milagre”. A palavra grega (dýnamis), que às vezes é traduzida “milagre”, significa literalmente “poder”. (Lucas 8:46) Ela também pode ser vertida “capacidade” ou “obras poderosas”. (Mateus 11:2025:15) Segundo certo erudito, essa palavra grega “enfatiza a obra poderosa que foi feita e, em especial, o poder com que foi realizada. O evento é descrito como expressão do poder de Deus em ação”.
Outra palavra grega (téras) costuma ser traduzida “portento” ou “prodígio”. ( João 4:48Atos 2:19) Essa expressão destaca o efeito causado nos observadores. Muitas vezes, a multidão e os discípulos ficavam espantados e pasmados ao verem as obras poderosas de Jesus. — Marcos 2:124:416:51Lucas 9:43.
Uma terceira palavra grega (semeíon), referindo-se aos milagres de Jesus, significa “sinal”. Ela “focaliza o sentido mais profundo do milagre”, diz o erudito Robert Deffinbaugh. Ele acrescenta: “Um sinal é um milagre que transmite uma verdade sobre o nosso Senhor Jesus.”

Ilusionismo ou poder dado por Deus?

A Bíblia não descreve os milagres de Jesus como truques ou ilusionismo, destinados a divertir as pessoas. Eram manifestações do “poder majestoso de Deus”, como no caso de um menino, de quem Jesus expulsou um demônio. (Lucas 9:37-43) Será que obras tão poderosas seriam impossíveis para o Deus Todo-Poderoso — que é descrito como tendo “abundância de energia dinâmica”? (Isaías 40:26) Claro que não!
Os relatos evangélicos mencionam uns 35 milagres de Jesus. Mas não se revela o número total dos seus milagres. Por exemplo, Mateus 14:14declara: “[Jesus] viu uma grande multidão; e teve pena deles e curou os seus doentes.” Não somos informados de quantos doentes ele curou nessa ocasião.
Essas obras poderosas estavam relacionadas com a afirmação de Jesus de que ele era o Filho de Deus, o prometido Messias. As Escrituras realmente mostram que o poder que Deus lhe deu o habilitou a fazer milagres. O apóstolo Pedro chamou Jesus de “homem publicamente mostrado a vós por Deus, por intermédio de poderosas obras, e portentos, e sinais, que Deus fez por intermédio dele no vosso meio, conforme vós mesmos sabeis”. (Atos 2:22) Em outra ocasião, Pedro salientou que “Deus o ungiu com espírito santo e poder, e ele [Jesus] percorria o país, fazendo o bem e sarando a todos os oprimidos pelo Diabo; porque Deus estava com ele”. — Atos 10:37, 38.
Os milagres de Jesus estavam interligados com a sua mensagem. Marcos 1:21-27 revela a reação da multidão ao ensino de Jesus e a um dos seus milagres. Marcos 1:22 diz que os da multidão “ficaram assombrados com o seu modo de ensinar”, e o versículo 27 salienta que o povo ficou ‘assombrado’ quando ele expulsou um demônio. Tanto as obras poderosas de Jesus como a sua mensagem forneceram provas de que ele era o prometido Messias.
Jesus não somente afirmava publicamente que era o Messias; mas o poder que Deus lhe deu, demonstrado nos seus milagres, junto com suas palavras e outras ações, fornecia evidência do seu Messiado. Quando surgiram perguntas sobre qual era de fato a sua função e de quem recebera autoridade, Jesus respondeu francamente: “Eu tenho o testemunho maior do que o de João [Batista], porque as próprias obras que meu Pai me determinou efetuar, as próprias obras que eu faço, dão testemunho de mim de que o Pai me mandou.” — João 5:36.

Evidências de autenticidade

Por que podemos ter certeza de que os milagres de Jesus eram reais e autênticos? Considere algumas das evidências de autenticidade.
Ao realizar obras poderosas, Jesus nunca chamou atenção para si mesmo. Fez questão de atribuir a Deus a glória e o mérito pelos resultados de qualquer milagre que fizesse. Antes de curar um cego, por exemplo, Jesus salientou que a cura seria feita “para que as obras de Deus fossem manifestas no seu caso”. — João 9:1-311:1-4.
Diferentemente dos ilusionistas, mágicos e dos que curam pela fé, Jesus nunca usou hipnose, truques, espetáculos exibicionistas, magia ou rituais sensacionalistas. Não recorria à superstição, nem ao uso de relíquias. Note o modo despretensioso como Jesus curou dois cegos. “Penalizado”, diz o relato, “Jesus tocou-lhes os olhos e eles receberam imediatamente visão, e o seguiram”. (Mateus 20:29-34) Não envolvia nenhum rito, cerimônia ou espetáculo. Jesus realizava milagres abertamente, muitas vezes perante um grande número de testemunhas. Não usava iluminação especial, cenário ou acessórios. Em contraste, os supostos milagres modernos muitas vezes carecem de prova. — Marcos 5:24-29Lucas 7:11-15.
Às vezes, Jesus falava sobre a fé dos beneficiados pelos seus milagres. Mas a falta de fé de alguém não o impedia de realizar o milagre. Enquanto ele estava em Cafarnaum, na Galiléia, “trouxeram-lhe muitas pessoas possessas de demônios; e ele expulsou os espíritos com uma palavra e curou a todos os que passavam mal”. — Mateus 8:16.
Os milagres de Jesus foram realizados para atender as reais necessidades físicas das pessoas, não para satisfazer a curiosidade de alguém. (Marcos 10:46-52Lucas 23:8) Jesus nunca realizou milagres visando algum tipo de proveito pessoal. — Mateus 4:2-410:8.

Que dizer dos relatos evangélicos?

Os fatos a respeito dos milagres de Jesus nos foram transmitidos por meio das páginas dos quatro Evangelhos. Há motivos para confiarmos nesses relatos ao examinarmos a autenticidade dos milagres atribuídos a Jesus? Há, sim.
Como já mencionado, os milagres de Jesus foram realizados em público, onde havia muitas testemunhas. Os primeiros Evangelhos foram escritos numa época em que a maioria dessas testemunhas oculares ainda estavam vivas. A respeito da honestidade dos escritores dos Evangelhos, o livro The Miracles and the Resurrection (Os Milagres e a Ressurreição) observa: “Acusar os evangelistas de esconder indiscriminadamente fatos históricos no meio de um monte de supostos milagres, com o objetivo de fazer propaganda teológica, seria uma flagrante injustiça. . . . A intenção deles era fazer um registro honesto.”
Os judeus que se opunham ao cristianismo nunca questionaram as poderosas obras descritas nos Evangelhos. Eles apenas questionavam o poder com o qual foram realizadas. (Marcos 3:22-26) Os críticos que vieram depois também não puderam negar com bom êxito os milagres de Jesus. Ao contrário, durante o primeiro e o segundo séculos EC, havia referências históricas às obras milagrosas realizadas por Jesus. É evidente que temos todos os motivos para considerar autênticos os relatos evangélicos sobre os milagres dele.

O homem que fez os milagres

O exame dos milagres de Jesus seria incompleto se ficasse limitado a argumentos lógicos sobre a autenticidade deles. Ao descrever as obras poderosas de Jesus, os Evangelhos revelam um homem de profundos sentimentos e de compaixão sem igual, com vivo interesse pelo bem-estar de outros.
Considere o caso de um leproso que se aproximou de Jesus e pediu desesperadamente: “Se apenas quiseres, podes tornar-me limpo.” Jesus “penalizou-se”, estendeu a mão e tocou no leproso, dizendo: “Eu quero. Torna-te limpo.” O homem foi curado no mesmo instante. (Marcos 1:40-42) Jesus demonstrou assim que a empatia o induziu a usar o poder que Deus lhe deu para realizar milagres.
O que aconteceu quando Jesus se encontrou com uma procissão fúnebre que saía da cidade de Naim? O jovem falecido era o filho único duma viúva. Jesus “teve pena” da mulher, aproximou-se dela e disse: “Pára de chorar.” Depois ressuscitou o filho dela. — Lucas 7:11-15.
Uma lição consoladora que se pode tirar dos milagres de Jesus é que ele ‘tinha pena’ e fazia algo para ajudar as pessoas. Mas esses milagres não são mera história. Hebreus 13:8 diz: “Jesus Cristo é o mesmo, ontem, hoje e para sempre.” Ele governa agora como Rei celestial e está pronto e habilitado para usar os poderes milagrosos que Deus lhe deu de modo muito mais grandioso do que quando esteve na Terra como homem. Dentro em breve, Jesus usará esses poderes para curar a humanidade obedien te. As Testemunhas de Jeová o ajudarão de bom grado a saber mais sobre essa brilhante perspectiva para o futuro.


“TROUXERAM [a Jesus Cristo] muitas pessoas possessas de demônios; e ele expulsou os espíritos com uma palavra e curou a todos os que passavam mal.” (Mateus 8:16) “Ele [Jesus], acordando, censurou o vento e disse ao mar: ‘Silêncio! Cala-te!’ E o vento cessou, e deu-se uma grande calmaria.” (Marcos 4:39) O que você acha dessas declarações? Acredita que descrevem acontecimentos reais, históricos, ou acha que são apenas histórias alegóricas, meros mitos?
Muitos hoje têm sérias dúvidas a respeito da autenticidade histórica dos milagres de Jesus. Nesta era do telescópio e do microscópio, da exploração espacial e da engenharia genética, parece que há pouco espaço para relatos sobre obras milagrosas e maravilhas divinas.
Alguns acham que os relatos de milagres são fantasiosos ou alegóricos. Segundo o escritor de certo livro que se propõe a descobrir o “verdadeiro” Jesus, as histórias sobre os milagres dele não são nada mais do que “técnicas de marketing” para propagar o cristianismo.
Outros acham que os milagres de Jesus são fraudes. Às vezes, alguns até acusam Jesus de fraude. Segundo Justino, o Mártir, do segundo século EC, os difamadores de Jesus “até mesmo se atreveram a chamá-lo de mago e enganador do povo”. Alguns deles alegam que Jesus “não realizou seus milagres como profeta judeu, mas como mago, aprendiz de templos pagãos”.

A definição de “impossibilidade”

Talvez você ache que por trás de tais dúvidas haja um motivo fundamental pelo qual pessoas relutam em crer em milagres. Elas simplesmente acham difícil, até mesmo impossível, aceitar a idéia de que forças sobrenaturais possam estar atuando. “Milagres simplesmente não acontecem — ponto final”, disse um jovem que afirmava ser agnóstico. Depois ele citou as palavras do filósofo escocês David Hume, do século 18, que escreveu: “O milagre é uma violação das leis da natureza.”
No entanto, muitos seriam mais cautelosos antes de afirmar que certo fenômeno é impossível. The World Book Encyclopedia chama o milagre de “um evento que não pode ser explicado com as leis conhecidas da natureza”. Segundo essa definição, para a maioria das pessoas que viveram no começo do século passado, as viagens espaciais, a comunicação sem fio e a navegação por satélite teriam parecido “milagres”. Certamente, não é sábio afirmar que milagres sejam impossíveis pelo simples fato de que não podemos explicá-los à base do conhecimento atual.
Se examinarmos algumas evidências bíblicasrelacionadas com os milagres atribuídos a Jesus Cristo, o que encontraremos? Os milagres de Jesus são fatos ou ficção?


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário